27.11.12

 

Será um pássaro…? Será um avião…? Não, … é o Super-Homem!!

Pois é, o Super-Homem é ele e mais nenhum, isto é, há só um.

Para se ser cidadão tem que se viver na “cidade” (ser um vulgar Clark Kent), em comunidade. Na estrutura da sociedade ocidental atual, a cidadania está ligada a direitos tendencialmente universais. Quer dizer, todos nós, homens e mulheres em idade adulta, temos o direito a exercer integralmente a cidadania.

Para que cada cidadão de per si possa usufruir e exercer os seus direitos de cidadania é essencial que ele próprio e todos os outros cumpram os deveres correspondentes.

Assim como, ao que sei, ainda não foi inventada a moeda de uma só face, também não há direitos sem os correspondentes deveres.

E quais são os deveres de cidadania?

Em termos gerais diria que o cidadão tem o dever de contribuir para que a sua cidade, as suas comunidades, o seu bairro, o seu prédio, se desenvolvam harmoniosamente, sustentadamente.

Mas a vida está tão má, as dificuldades aumentam todos os dias, como é que eu vou, com esta situação, ainda ter cabeça, vontade para pensar em “cidadania”? Isso é coisa de quem não tem mais que fazer, de diletantes mais ou menos idealistas.

Acha que sim?!

Qual a dificuldade em deitar o lenço de papel ou o invólucro do maço de tabaco ou o folheto, que acabámos de aceitar receber em mão, num caixote do lixo? Mais difícil ainda: num ecoponto? Compare-se com o desperdício, com o prejuízo, com a comodidade (geradora de desconforto, no mínimo) de lançar esses produtos usados ou inúteis diretamente para o chão. Multiplique por um milhão.

O que custa apanhar alguns folhetos publicitários espalhados pelo chão perto das caixas de correio do meu prédio e depositá-los no local próprio?

A cidadania, o seu exercício equilibrado de direitos e deveres tem a ver com o dia-a-dia, é simples, não tem que ser adiada.

Provavelmente acabaram de lhe ocorrer mais duas ou três coisas ligadas ao exercício da cidadania a que tem direito e que pode e deve praticar (assim como todos os outros podem, mas comecemos por nós) e que tornam a nossa vida mais segura, mais livre, mais responsável.

E não, não é preciso ser o Super-Homem, ter superpoderes, nem viver no “Paraíso”.

 

Jorge Saraiva (articulista convidado)


Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 20:00  Comentar

Luanda | Angola

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Helena Rosa

> Inês Ramos

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Maria João Enes

> Marisa Fernandes

> Rui Duarte

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Novembro 2012
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
14
15
17

18
19
21
22
24

25
26
28
29


Arquivo
2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
O tempo, a arbitrariedade da vida e as fragilidade...
Obrigado SAPO.AO!!
E claro que é no "Cenas na net" mas este na homepa...
Torna-se 'repetitivo', mas no bom sentido que faze...
Presenças
Ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: