26.10.16

Mom-Unsplash.jpg

Foto: Mom - Unsplash

 

Quando saímos com os nossos pais, é frequente cruzarmos caminho com pessoas que já não encontramos há algum tempo. E passamos todos pelo mesmo: paramos para duas de treta e cria-se ali aquela conversa de circunstância, sem mais nem porquê, que passo a descrever:

 

(depois de sabermos como a pessoa está e como vai a vida)

- É a tua filha?

- É, sim.

- Que idade é que tem?

E a filha atira um número com prontidão, ao que o senhor/a responde:

- Ai está tão crescida! Como o tempo passa…

- O tempo passa por nós, também passa por eles.

- Ainda me lembro dela pequenina, quando a levavas a x sítio. É a cara chapada do pai, não é?

- Não há consenso: alguns acham mais parecida com o pai, outros mais parecida comigo (mãe).

- Ai não! É pai! É igualzinha ao pai!

 

Invariavelmente a conversa é sempre a mesma, apenas muda o interlocutor com quem nos cruzamos. E no decorrer da conversa nós, filhos, ficamos com aquela cara sem graça a achar que temos o dom da invisibilidade, qual manto do Harry Potter, pois travam aquela conversa como se não estivéssemos presentes.

As opiniões divergem e, sinceramente e fisicamente falando, não me acho parecida nem com o meu pai, nem com a minha mãe. Reconheço em mim (e aprecio até!) pequenas caraterísticas físicas de um e de outro, mas a herança genética não é algo que tenha demasiada importância. (Lembro-me de quando era mais nova questionar se seria adotada! Parvoíces!) Passaram anos: mudei, obviamente; apesar de a imagem do espelho não me apresentar, ou de não fazer notar aos meus olhos, as diferenças entre eles.

Não sei quanto de mim veio do meu eu, da minha essência; em igual dúvida, não sei quanto de mim foi herdado dos meus pais e avô. Reconheço-me na família Ribeiro tanto quanto da família Sousa, mas de diferentes formas.

Vejo em mim a força, o sentido prático, a determinação, a perseverança e o sentido de humor (e a gargalhada) da minha mãe; revejo, como que refletido no espelho, a sensibilidade, a bondade, o lado afetivo e a capacidade de sonhar do meu pai. E a teimosia e “resmunguice” de ambos! A timidez, agora que penso nisso, veio mesmo de mim.

Como essas caraterísticas coexistem? Lamento, não sei também! Talvez entrem em conflito, não raras vezes; ou talvez tenha herdado o melhor de dois mundos. Os meus dois mundos. E é essa a minha maior e melhor herança: os meus dois mundos!

 

Sandra Sousa

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:30  Comentar

Luanda | Angola

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Helena Rosa

> Inês Ramos

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Maria João Enes

> Marisa Fernandes

> Rui Duarte

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Outubro 2016
D
S
T
Q
Q
S
S

1

2
3
4
5
6
7
8

9
11
13
15

16
18
19
20
21
22

23
25
27
29

30


Arquivo
2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
O tempo, a arbitrariedade da vida e as fragilidade...
Obrigado SAPO.AO!!
E claro que é no "Cenas na net" mas este na homepa...
Torna-se 'repetitivo', mas no bom sentido que faze...
Presenças
Ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: