De ©Marcolino Duarte Osorio a 11 de Setembro de 2009 às 04:00
Olá, Liliana!
Ninguém nasce com o tal sentimento de culpabilidade nem com o seu oposto, a desculpabilidade. Estes dois atributos são-nos incutidos desde que nascemos pelos nossos educadores como actos repreensiveis ou criminosos.

Vejamos agora o seguinte: Tem-se uma educação em que matar é crime. Na Terra punivel com cadeia. Depois de morto com o Inferno... Um mancebo que entra para o exército com a cabeça viciada nestes conceitos, entra em parafuso, quando, como Guerreiro, se vê obrigado a modificar todos estes conceitos porque perante alguém armado, como ele, se não fôr o primeiro a disparar, a matar, morrerá às mãos do outro...

Fala a experiência, porque foi isto que experimentei em 1962 quando me deparei no chamado «Teatro de Guerra». Ou sobrevivia aos tiros ou morria com as balas dos outros...!

Gostei do seu post!

Cumprimentos
Marcolino

De Cidália Carvalho a 7 de Setembro de 2009 às 20:39
Anibal V,

A culpa é tão subjectiva que há quem nunca a experimente.
Existem pessoas que vivem com um eterno complexo de desculpa.

Fique bem!

De Aníbal V a 6 de Setembro de 2009 às 14:31
Sentir culpa será, de facto, algo muito subjectivo. Mas como objectivar esse sentimento? Como o comparar, como o medir, como o relativizar? No fundo e mais importante, como o aliviar?