De Cidália Carvalho a 14 de Dezembro de 2009 às 22:48
Marcolino,
Natal diferente...o que importa é que realmente se sinta bem, em paz...
Estamos por aqui e fazemos-lhe companhia.

Fique bem!

De Marcolino - Passatempo a 4 de Dezembro de 2009 às 02:51
Olá Cecilia,
Adorei este seu texto!
Fez-me recordar épocas natalicias já passadas. Umas, em Dezembro fazia calor de estoirar granitos. Outras, em Dezembro Europeu fazendo um frio de rachar. Um único Natal, passei-o nas matas angolanas. Mas estes últimos 10 Natais, tenho-os passado a sós comigo mesmo.
Cozinho uma bela posta de bacalhau, com batas, dróculos, 1 ôvo, cebola, e uma cenoura.
Num prato fundo, migo em azeite e vinagre q.b. dois ou mesmo tres dentes de bom alho e faço assim o molho onde tempero este petisco, acompanhado de um bom vinho alentejano.
Uma boa fatia dourada, trazida da pastelaria, é o complemento deste belissimo manjar.
Já na minha saleta, sento-me a escutar um dos meus Cd's favoritos, vou petiscando amendoins e pistachos, sorvendo o meu café, acompanhado de um Dimple, que em certas ocasiões especiais gosto de saborear.
Entretanto o João Pestana chega, desligo as luzes, e a minha aparelhagem, meto-me no vale de lencois, adormeço de imediato, até o sol nascer.
Dia 25, dia de Natal, se estiver bom tempo, saio de casa e vou arejar, fazendo de conta que é Natal dentro de mim, Natal sem chuva de lágrimas, Natal, em que olho os que me rodeiam, com inveja, de não poder estar como eles, em Familia...!
E agora pergunto-me eu: E os Natais de todos aqueles que são órfãos com pai e mãe vivos, daqueles que se encontram hospitalizados com doenças irreversíceis, daqueles que foram abandonados em nenés, daqueles que ficaram sem nada de um momento para o outro, e assim por diante...?!

Afinal o meu Natal, apenas é diferente!

Bom Natal Cecilia!
Marcolino