De mariah a 18 de Março de 2010 às 11:02
O poeta hungaro reduz a felicidade a poucas coisas. Dois seres, queijo, vinho pão. Chuva, e chuva. Uma janela para ver e uma porta para sair. A felicida é suficiente.


DO QUE SE NECESSITA PARA A FELICIDADE ?




Posto assim,
não muito:
dois seres,
uma garrafa de vinho,
queijo do país,
sal, pão,
um quarto,
uma janela e uma porta,
lá fora, que chova,
chuva de longos fios,
e claro, cigarros.
Mas, ainda assim, de muitas noites
apenas uma o duas vezes resulta,
como os grandes poemas de grandes poetas.
O mais é preparatório,
ou epílogo,
dor de cabeça,
ou espasmo de riso,
não se pode, mas deve-se,
é demasiado, mas insuficiente.

PÉTER KÁNTOR

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres