De Zilda Cardoso a 11 de Abril de 2010 às 19:20
Sim, levar-nos ia muito longe, mas se calhar valia a pena.Concordo consigo, a fé nos outros... nunca tinha pensado em termos de fé, mas é bem verdade.Eu penso mais em termos de gostarmos uns dos outros, gostarmos de toda a gente. E isto é que é difícil, não acha? Eu não consigo gostar de toda a gente, mas gosto de muita gente independentemente das suas qualidades consideradas más. Eu... não tenho sido tolerante, não sou, mas procuro encontrar as qualidades boas em qualquer pessoa e justificar os seus actos maléficos considerando-os ignorância à maneira dos budistas Ou à maneira se Sócrates e de Platão. Ignorância das razões, das mil razões... Porém, esta atitude não me faz apreciar toda a gente - não lhas faço guerra. Seja como for, estou a trabalhar a mente para gostar de mais gente, para que sejam um multidão cada vez maior.

De monicabaldaque a 11 de Abril de 2010 às 10:51
Zilda,

Tudo o que aqui nos deixa pensado, é , sem dúvida, o resultado de um longo processo de meditação, de observação, de estudo, de boa fé. Sobretudo a boa fé, é tão difícil de atingir, mas tão importante nos relacionamentos. Se a fé uns nos outros, nos próximos, nos vizinhos, nos distantes, fosse natural, limpa, sem mácula, sem receios, o caminho iluminava-se, a tolerância compreendia-se em toda a sua plenitude.
Eu, que fui muito criada no campo, aprendi a boa fé em relação à natureza: à chuva, ao sol, às doenças das vinhas, ao frio, ao granizo, às secas, ao rio transbordante...e se havia receios, porque as culturas não estavam a ser ajudadas, havia esse sentimento de aceitação, de boa fé. E naturalmente, isso passava para o relacionamento com as pessoas. E era saudável , e tranquilo, e havia qualquer coisa de inabalável, de partilha leal, naquela pequena sociedade. E de sábio...
Mas isto levar-nos-ia muito longe!

De João Nuno a 11 de Abril de 2010 às 03:33
Fantástico o texto da Zilda que, como sempre, nos deixa um hino com harmonia em relação a tudo aquilo que engloba os dias que vão passando.
Parabéns...aos "donos" do blogue e à Zilda. Fantástico!
João Nuno
http://joaonunomb.spaceblog.com.br

De Marcolino a 10 de Abril de 2010 às 23:56
Olá, Zilda!

Belissimo texto!

Abraço
Marcolino

De Cidália Carvalho a 10 de Abril de 2010 às 18:58
Zilda,
Obrigada por ter aceite o nosso convite.
O texto é interessantissimo, cheio de observações e pensamentos que podem ser rampas de partida para reflectirmos sobre: viver em sociedade e o papel da meditação.
Encontramo-nos por aqui ou pelo O Fio de Ariadne .
Beijinho e fique bem!