De Susana Cabral a 5 de Dezembro de 2008 às 00:36
Alexandre


Acredita que concordo contigo, por um lado a rotatividade de amizades não é de todo saudável, vai deixando feridas, cicatrizes e histórias mal contadas. Por outro lado deveríamos ter tempo para fazer o nosso luto, de forma a minimizar os estragos que uma amizade "terminada" deixa em cada um de nós.
Ter o tempo necessário para aceitar a desilusão que é capaz de mastigar e engolir memórias coloridas.
O luto aparece como um bálsamo , um antibiótico capaz de limpar a sensação de tristeza deixando-nos apenas com a memória do arco-iris.
As amizades que nos vestem de preto nunca deveria acabar, nunca deveríamos ter de dizer "adeus" mas um "até logo" ou "um dia destes vemo-nos" e assim saberíamos sempre que aquela pessoa ou pessoas que em determinado momento com quem partilhamos o nosso coração iriam ficar "perto" de nós. O tal egoísmo de que falavas ou apenas o querer perpetuar uma ilusão. Dói muito perder uma amizade, mas ainda dói mais quando vemos que essa amizade nunca existiu porque a facilidade com que terminou
foi brutal.
Recordo com muita ternura os olhos verdes de um grande amigo , nunca lhe fiz o luto porque nunca o perdi. Fomos separados pelos tais motivos de força maior, o tempo, a distancia afastou-nos mas a nossa amizade continua e continuará até ao dia que um de nós deixar de existir.
Os sentimentos verdadeiros, mesmo os mais superficiais , quando somos obrigados a abdicar deles provocam sempre dor! É engraçado como criei um carinho enorme por um sorriso que via todos os dias através de uma janela, no dia em que a janela se fechou senti que tinha perdido um bocadinho de mim. O relacionamento que mantive com aquele sorriso era sem duvida a validação da minha presença diária naquele local. O luto apareceu quando perdi um sorriso, apenas um sorriso, que me fazia feliz.
Infelizmente ao longo da nossa existência , a vida versus luto caminham lado a lado, quase de mãos dada, sem duvida uns cúmplices prefeitos.
Vamos perdendo a inocência e temos de fazer o luto porque a realidade deixa muita pouca margem para a fantasia. Acreditamos que o mundo está repleto de D. Quixotes e quando os olhos se abrem e vemos os Sanchos Pança enlutamos as nossas almas.
Vestimos o preto quando em escassos segundo amamos aquele que nos deu a conhecer a mentira.
Precisamos do luto para aceitar as perdas e para que possamos viver com tranquilidade todas as emoções, sensações e sentimentos que cada dia novo nos trás.
Precisamos de enterrar as tais perdas, as tais desilusões fazermos um luto "completo" para melhor podermos sentir o sabor dos sentimentos responsáveis pela nossa felicidade. Precisamos de tempo para fazer o luto sem dúvida mas precisamos muito mais tempo para "cultivar" as amizades para que o luto não seja uma constante na nossa vida.

Susana Cabral

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres