De Susana Cabral a 28 de Fevereiro de 2009 às 22:34
Podemos ver isso mesmo quando lemos numa folha de jornal que aquela pessoa, sobre a qual nos habituamos a ler que "tudo tem", se suicidou.
Independentemente do que possa parecer o que cada um tem, o limite, o equilíbrio a vontade é algo muito pessoal e intimo, que de todo é enriquecido ou embelezado com diamantes.
A "moeda" com poder de "compra", no campo do suicídio , é o amor, o afecto e como dizes Estefânia a alegria e a vontade de viver, sem dúvida que essa "moeda" tem o "valor de nos proteger" contra a vontade de nos suicidar.