23.12.15

MeditationByTheLake-NatSakunworarat.jpg

Foto: Meditation By The Lake - Nat Sakunworarat

 

O medo é um involuntário estado de espírito, temporário ou definitivo, que antecede a realização de um evento, ou o resultado astronómico dali obtido respetivamente. Por si, o medo é também um evento antecedente de um outro, o seu perfil estranho é ocorrer num lapso de tempo que separa dois estados emocionais sucessivos designadamente a expetativa e o resultado real que se obtém.

Cada pessoa é uma amostra de toda uma sociedade onde se insere, a sua complexa e variada natureza corporiza as pessoas e vivências encarnadas numa única, e o medo afigura-se como a vertente emocional das pessoas, o lado romântico e sonhador, a ânsia da conquista de um resultado na forma de uma vitória ou derrota.

Eis, em sentido ilustrativo, como se descreve o medo vivido tipicamente por um entusiasta: o foco no objeto conjugado com a superatenção no objetivo, aumentam a energia corporal que desperta a atividade cerebral, consequentemente, a ansiedade impede a continuidade do sono sossegado por ter chegado, finalmente, a hora de entrar em ação, para o posterior alívio da alma.

Duas perspetivas do medo são distintas, salientes e identificáveis para saber como lidar, se é medo de agir ou medo da consequência que advém do ato. Na primeira situação, a pessoa está mais concentrada na ação, se irá resultar ou falhar, e a segunda, no impacto da ação face aos seus objetivos, se irá ou não satisfazer as suas necessidades.

 

Contudo, desenvolver a audácia necessária para pôr em prática a ação é muitas das vezes um ato de coragem, a superação de um conflito individual que pode desencadear em revolução, regra geral, percurso para o desenvolvimento humano e rompimento dos ciclos viciosos. O mecanismo catalisador da transformação requerer, para além da afinação da capacidade produtiva (saber fazer), o desenvolvimento da criatividade e inovação, alguma frieza e encarar os factos o mais cedo possível para ganhar tempo de reação, aprendizagem e assimilação.

Dito isto, a forma mais económica de vencer e diluir o medo é imposta por uma adequada e atempada preparação antes da ocorrência do evento, um exercício diário e sistemático de superação das barreiras e limitações que derivam e são alimentadas pelas especulações, lições contadas por outros autores e experiências passadas por este.

 

António Sendi

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 08:00  Comentar

Luanda | Angola

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Helena Rosa

> Inês Ramos

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Maria João Enes

> Marisa Fernandes

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Dezembro 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
12

13
15
17
19

20
22
24
26

27
29
31


Arquivo
2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
O tempo, a arbitrariedade da vida e as fragilidade...
Obrigado SAPO.AO!!
E claro que é no "Cenas na net" mas este na homepa...
Torna-se 'repetitivo', mas no bom sentido que faze...
Presenças
Ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: