1.12.17

Pray - Martine.jpg

Foto: Pray - Martine

 

Vamos começar por algo bonito, que há borboletas bem lindas, vistosas, coloridas, ainda que algumas tenham figurações que pretendem ser ameaçadoras para os seus predadores. Comecemos pela borboleta tropical pois então.

Aviso, em tempo: a história, exemplificativa, começa bem, bonita, mas vai acabar mal, qual tempestade. Cientificamente, é uma história, digamos, determinística, com relação de causa e efeito. Na teoria do caos, dizem-nos que um bater de asas de uma linda borboleta na região do Amazonas, Brasil, pode vir a causar um tornado, um furacão nos estados do midwest norte-americano!

Para os cientistas, por uma via, em termos religiosos, por outra, está tudo, ainda que de formas bem complexas, explicado. Para um simples mortal, acontecem coisas inexplicáveis, verdadeiros mistérios.

A mínima diferença, modificação, das condições de uma situação considerada de partida, pode gerar consequências inimagináveis (inexplicáveis para o ser humano médio - excluindo, portanto, os especialistas e os ignorantes), de dimensões catastróficas ou, (porque não?) maravilhosas. Não apenas na meteorologia, pode ser na língua escrita e falada, pensemos por um momento que o português de Portugal e do Brasil tem a mesmíssima origem, há cerca de tão só 500 anos, mas pequeníssimas diferenças circunstanciais foram originando palavras novas e termos e expressões iguais à partida vieram a ter aplicações e significados diversos, em alguns casos aproximando-se do antagónico; pode também ser um episódio idêntico que significou para duas pessoas uma perda, tendo para uma consequências desastrosas, mas proporcionou uma sucessão de boas oportunidades para a outra (os males que vêm por bem).

 

Já terá dado para perceber o ponto de vista.

Não vou maçar-vos mais: passo para as conclusões - que, rogo, sejam aplicadas por cada um ao que lhe interesse - o mundo, a sociedade, a nossa vida, sem mistérios seriam muitíssimo menos interessantes, se se puder comparar!

Convirá é, perante as circunstâncias, que há que aceitar, não nos colocarmos apenas como efeito, mas também como causa, agente, ator. Mesmo rezar o terço, para quem o faça, digo eu e justificando o título da prosa, não deverá ser um ato mecânico, uma lengalenga sem sentido.

 

Jorge Saraiva

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 07:30  Comentar

Luanda | Angola

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Helena Rosa

> Inês Ramos

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Maria João Enes

> Marisa Fernandes

> Rui Duarte

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Dezembro 2017
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
12
13
14
16

17
19
20
21
23

24
26
27
28
30

31


Arquivo
2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
O tempo, a arbitrariedade da vida e as fragilidade...
Obrigado SAPO.AO!!
E claro que é no "Cenas na net" mas este na homepa...
Torna-se 'repetitivo', mas no bom sentido que faze...
Presenças
Ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: