16.3.16

Hintergrund-KaiStachowiak.jpg

Foto: Hintergrund – Kai Stachowiak

 

Olho o reflexo do meu rosto sulcado pelo tempo, replicado nos vários pedaços do espelho caído. É como se a minha vida fragmentada estivesse representada naqueles pedaços: pedaços de alegrias, amores, conquistas, desilusões, tristezas, desamores, vitórias e derrotas.

O meu pai foi o primeiro a perceber que algo de errado se passava comigo, culpando a minha mãe disso. À medida que eu crescia ele ia percebendo que eu me distinguia do meu irmão, assemelhando-me mais da minha irmã. Eu abandonava as brincadeiras do meu irmão, um ano mais velho que eu, com os carrinhos e as pistolas. Ai como eu detestava brincar às guerras e às lutas! Deleitava-me sim, com as fantasias e brincadeiras mais tranquilas da minha irmã, dois anos mais velha. Partilhávamos os nossos sonhos e ambições personificando-os nas aventuras das “nossas” bonecas.

Sim, sofri, foi terrível ter que me confrontar com as transformações do meu corpo, este meu corpo trocado ao qual estava aprisionada. A voz subitamente tornou-se grave, as evidências fenotípicas masculinizadas foram se acentuando. Não reconhecia o meu eu neste corpo estranho de homem jovem. Eu era uma mulher, eu sentia-me uma mulher encarcerada num corpo masculino. Deprimi, despersonalizei-me, confundi-me, tentei fugir definitivamente deste corpo, libertar-me dele. Simultaneamente a esta luta desesperante por me encontrar, por me integrar neste corpo que me pertencia, mas eu não reconhecia, família e amigos afastaram-se, abandonaram-me. Não! Não fiquei totalmente só. A minha irmã, eterna companheira de aventuras, meu espelho de afetos, minha alma gémea, foi minha mãe, minha apoiante, mentora, minha reparadora de todos os meus pedaços quebrados.

Detenho-me nos fragmentos de espelho que refletem o meu olhar. É um olhar sereno, feliz, envolvido por um belo rosto feminino, contudo marcado por uma vida cheia e desafiante.

 

Tayhta Visinho

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:30  Comentar

Luanda | Angola

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Helena Rosa

> Inês Ramos

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Maria João Enes

> Marisa Fernandes

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Março 2016
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
12

13
15
17
19

20
22
23
24
26

27
29
30
31


Arquivo
2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
O tempo, a arbitrariedade da vida e as fragilidade...
Obrigado SAPO.AO!!
E claro que é no "Cenas na net" mas este na homepa...
Torna-se 'repetitivo', mas no bom sentido que faze...
Presenças
Ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: