2.2.15

2Mulheres4Faces.jpg

 

Não é fácil para mim escrever sobre um assunto que é tão caro quanto inexistente. Mas o desafio está aí mesmo: será descabido e propositado existir o racismo até a minha liberdade terminar, porque na liberdade dos outros ele existe. E é rancoro.

Nunca entendi isso de avaliar o QI, qualidade de caráter, ou até pureza humanista, quando se depara com a cor da pele de uma pessoa. Faz algum sentido?

Convenhamos, não é isto o maior (ou mais um enorme) disparate que o Homem se lembrou de inventar? A sério que se eu for negra ou amarela (tantas vezes o sou) serei intelectualmente superior à minha colega de trabalho que é branca e loira? Posso rir-me ou é demasiado ofensivo?

É. É demasiado ofensivo. Porque existe e porque continuará ao longo da História da Humanidade.

Sou muito atenta à liberdade dos outros. Defendo veemente a liberdade que não é minha. Defendo-a como se o fosse, independentemente de amanhã estar sozinha ou não a defender a minha. O Mundo é de todos e nós não somos mais que formigas.

Hoje, num dia de profunda desilusão com o que me rodeia e com os filhos do meu Deus (ou com o Mundo, ou com a Vida… Ou até comigo), questiono-me até quando deixaremos de atacar os outros de uma forma gratuita, vil, disparatada.

É a ladainha cultural, colonial, provinciana. É o espírito da fraqueza disfarçada de superioridade e o resumo da estupidez humana num insulto ou discriminação.

Hoje não tenho palavras: hoje a minha página é um mundo em branco de incredulidade e de sentimento de desdém.

Não é fácil para mim escrever sobre um assunto que não existe no meu coração. Não é fácil para mim defender o óbvio, abrir as mentes para o discernimento do que deveria ser tão claro, transparente. Não irei defender com argumentos batidos, discutidos, levantados, aclamados. Não virei com clichês. Não defenderei o anormal nem lutarei por mentes patetas.

Tão e somente:

Tire o seu racismo do caminho, que eu quero passar com a minha cor.”; Georges Najjar Jr

 

Sofia Cruz

 

Link deste ArtigoPor Mil Razões..., às 09:00  Comentar

Luanda | Angola

Pesquisar
 
Destaque

 

Porque às vezes é bom falar.

Equipa

> Alexandra Vaz

> Cidália Carvalho

> Ermelinda Macedo

> Fernando Couto

> Helena Rosa

> Inês Ramos

> Jorge Saraiva

> José Azevedo

> Maria João Enes

> Marisa Fernandes

> Rui Duarte

> Sandra Pinto

> Sara Silva

> Sónia Abrantes

> Teresa Teixeira

Fevereiro 2015
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
12
14

15
17
19
21

22
24
26
28


Arquivo
2018:

 J F M A M J J A S O N D


2017:

 J F M A M J J A S O N D


2016:

 J F M A M J J A S O N D


2015:

 J F M A M J J A S O N D


2014:

 J F M A M J J A S O N D


2013:

 J F M A M J J A S O N D


2012:

 J F M A M J J A S O N D


2011:

 J F M A M J J A S O N D


2010:

 J F M A M J J A S O N D


2009:

 J F M A M J J A S O N D


2008:

 J F M A M J J A S O N D


Comentários recentes
O tempo, a arbitrariedade da vida e as fragilidade...
Obrigado SAPO.AO!!
E claro que é no "Cenas na net" mas este na homepa...
Torna-se 'repetitivo', mas no bom sentido que faze...
Presenças
Ligações
Música

Dizer que sim à vida - Carlos do Carmo:

 

Dizer que sim à vida - Luanda Cozetti: